PROLEGIS 005APOSTILA: TÍTULOS DE CRÉDITO

Colaboração da Acadêmica Márcia Pelissari – marciapelissari@yahoo..com.br

 


TÍTULOS DE CRÉDITO

1.   NOÇÕES HISTÓRICAS

Os títulos de crédito surgiram nas épocas medievais. Cada cidade (feudo) possuía tudo para manter sua estrutura básica, inclusive moedas.

O crédito era considerado tão importante que, no início, o credor poderia, até mesmo, condenar o devedor à morte. Esquartejavam esse devedor e as partes eram divididas entre os credores que as penduravam na porta de seu estabelecimento comercial, como medida intimidadora.

Mais tarde, principalmente no Egito, continua a importância do pagamento das dívidas, só que o devedor era transformado em escravo.

Posteriormente, já na Idade Média, o crédito passa a ser pago através das propriedades. No início, o credor poderia tomar posse de todos os bens que quisesse do devedor, indiscriminadamente.

Atualmente, a contrapartida é mais justa, mas ainda há muito o que mudar.

Voltando à Época Medieval:  como cada feudo possuía a própria moeda, cada vez que os mercadores entravam nas cidades precisavam fazer o câmbio.

Com o aumento da mercancia, aumenta, também, o fluxo de mercadores viajando com dinheiro e, consequentemente, o número de assaltos. Para evitá-los os mercadores começaram a diminuir a mercancia entre os feudos.

As pessoas já acostumadas com as mercadorias trazidas dos outros lugares pelos mercadores exigem o retorno do comércio e, assim, foi criada uma sociedade para fazer o câmbio para os comerciantes, ou seja, os BANQUEIROS.

Os banqueiros inventaram um papel chamado de lettera di cambium e cada vez que os mercadores entravam em um feudo eles trocavam a lettera pela moeda local e, ao saírem, faziam o procedimento inverso. Esse tipo de título que era usado, se parece mais com a atual nota promissória do que propriamente com a letra de câmbio. 

·        COMENTÁRIOS:

·        LETRA DE CÂMBIO    é uma ordem de pagamento.

·        NOTA PROMISSÓRIA    teve suas origens nos romanos e desenvolveu-se através dos gregos que tinham os chirographos, que eram uma casta especial, pois sabiam ler e escrever (o que não era comum na época) e tinham a permissão de emitir as notas promissórias    eram simples obrigações de dívidas formuladas por escrito.

·        CHEQUE    teve suas origens na Idade Média.

·        DUPLICATA    é especialíssima para o Direito brasileiro, pois é criação nossa e surge com o art. 219 do Código Comercial brasileiro.

·        Existem outros títulos de crédito: os títulos de crédito chamados impróprios, entre eles o warrant, o conhecimento de frete, ações, debêntures, etc.  O nosso estudo se baseará nos títulos cambiariformes ou próprios (Letra de Câmbio, Nota Promissória, Duplicata e Cheque).

2.   CONCEITO

“Título de Crédito é o documento necessário para o exercício de um direito literal e autônomo, nele contido”.  (Césare Vivante  in Trattado di Dirritto Commerciale    Milão    1812. 

·        DOCUMENTO    é representado por um papel que era chamado de cartula    logo, é através da cartularidade que é possível exercer esse direito.

·        NECESSÁRIO    é obrigatória a apresentação do documento para que o direito possa ser exercido.

·        LITERAL    tem que estar escrito no documento.  Literalidade  =  vale o que está escrito.

·        AUTÔNOMO    não está vinculado a nada, ou seja, as obrigações nele contidas são independentes entre si.

·        NELE CONTIDO    o direito literal é que está contido no título de crédito. 

·        PRINCÍPIOS DOS TÍTULOS DE CRÉDITO: 

O título de crédito que possui todas as características é considerado um título perfeito e são a Letra de câmbio e a nota promissória. 

a)   Literalidade    é a subordinação do Direito ao teor específico do título    vale o que está escrito    deve estar expresso em moeda nacional, a não ser que tenha se originado de uma exportação (é um requisito do título de crédito).

b)  Autonomia    significa que as obrigações cambiais são autônomas e independentes uma da outra    se divide em dois subprincípios:

b.1) abstração    significa que o título, uma vez endossado, liberta-se da causa que lhe deu origem.

b.2) inoponibilidade das exceções aos terceiros de boa fé    não posso propor nenhuma defesa contra o pagamento, ao portador de boa-fé, do título. 

c)   Cartularidade    é a necessidade de apresentar o título para exercer o Direito Cambial  (= documento necessário). 

3.   CLASSIFICAÇÃO 

A classificação dos títulos de crédito se faz através de quatro princípios:

3.1)     Quanto ao modelo:

a)      LIVRE    a forma não precisa observar um padrão normativamente estabelecido, ou seja, pode-se elaborar um título de crédito até mesmo em casa    ex.: nota promissória e letra de câmbio.

b)      VINCULADO    o direito definiu um padrão para o preenchimento dos requisitos específicos de cada um    ex.: duplicata mercantil (nasce de uma compra e venda a prazo ou da prestação de um serviço, logo, está vinculada à nota fiscal)  e cheque (uniformes, atendendo às normas de formatação do BACEN).

3.2)     Quanto à estrutura: 

a)   ORDEM DE PAGAMENTO    o saque cambial dá nascimento a três situações distintas: a de quem dá a ordem, a do destinatário da ordem de pagamento e ao beneficiário    ex.: letra de câmbio, cheque, duplicata mercantil.

b)   PROMESSA DE PAGAMENTO    onde apenas duas situações jurídicas emergem do saque cambial: a de quem promete pagar e ao beneficiário da promessa    ex.: nota promissória.

 

3.3)     Quanto às hipóteses de emissão (quanto à natureza dos direitos incorporados nos títulos):

 

a)   CAUSAIS    possuem causa necessária, isto é, só existem em função de um determinado negócio fundamental e esse negócio especial influencia a sua existência; sendo assim, os documentos trazem, nas declarações literais que contêm, referência ao negócio    são os títulos que somente podem ser emitidos se ocorrer o fato que a lei elegeu como causa possível para sua emissão    ex.:  duplicatas, warrant, conhecimento de frete.

b)   NÃO CAUSAIS ou ABSTRATOS    são aqueles em que os direitos incorporados no título não se ligam ou dependem do negócio que deu lugar ao nascimento do título    assim, ao portador ou qualquer obrigado não é permitido inquirir a causa do título, já que esse vale por si mesmo    podem ser criados por qualquer causa, para representar obrigação de qualquer natureza no momento do saque    ex.:  letra de câmbio, nota promissória, cheque. 

3.4)     Quanto à forma de circulação 

Em relação ao ato jurídico que opera a transferência da titularidade do crédito representado pela cartula, os títulos circulam: 

a)   AO PORTADOR    são aqueles em que não é expressamente mencionado o nome do beneficiário da prestação    nessas condições, será considerada titular dos direitos incorporados no documento a pessoa que com ele se apresentar  (transmissível por mera tradição).

b)   NOMINATIVOS    são os títulos cuja circulação se faz mediante um termo de cessão ou de transferência    esses títulos trazem , sempre, o nome da pessoa indicada como beneficiária da prestação a ser realizada.

c)   À ORDEM    em tal caso, eles trazem os nomes dos beneficiários e, contendo a cláusula esclarecedora de que o direito à prestação pode ser transferido pelo beneficiário à outra pessoa    circulam mediante tradição    ex.:  Pague ao Sr. F., ou à sua ordem, …).

d)   NÃO À ORDEM    a clausula não à ordem retira do título uma das suas principais funções (a livre circulação), fazendo com que o crédito não seja facilmente usado pela circulação através de endosso    entretanto, o título não à ordem também pode circular, através de uma cessão, que requer um termo de transferência, assinado pelo cedente e pelo cessionário    como conseqüência da cessão, o cedente se obriga apenas com o cessionário, não em relação aos posteriores possuidores do título    circulam mediante a tradição acompanhada da cessão civil de crédito. 

4.   ESPÉCIES 

4.1)     PRÓPRIOS    são aqueles que encerram uma verdadeira operação de crédito, subordinada, a sua existência, à confiança que inspiram os que dele participam    são aqueles que preenchem todos os requisitos e princípios do Direito Cambiário, bem como os seus atributos    ex.:  letra de câmbio e nota promissória.

4.2)     IMPRÓPRIOS    são aqueles que não representam uma verdadeira operação de crédito, mas, que revestidos de certos requisitos dos títulos de crédito propriamente ditos, circulam com as garantias que caracterizam esses papéis    ex.: ações, debêntures, conhecimento de depósito, warrant, conhecimento de frete. 

·        CARACTERÍSTICAS

·        Dinamismo

·        Formalismo

·        Simplicidade

·        Negociabilidade

·        Executividade 

PONTO II    LETRA DE CÂMBIO

1.   Conceito 

Entende-se por Letra de Câmbio uma ordem dada, por escrito, a uma pessoa, para que pague a um beneficiário indicado, ou à ordem deste, uma determinada importância em dinheiro. A letra de câmbio é um título de crédito, dotado de literalidade e de autonomia das obrigações. Desempenha importantíssima função econômica pela ampla utilização do crédito que proporciona. 

2.   Diplomas legais que regulam a Letra de Câmbio, vigentes no Brasil: 

·        Decreto 2.044/1908 nas partes não derrogadas;

·        Decreto 57.663/1966 que introduziu no Direito brasileiro a Lei Uniforme da Convenção de Genebra de 07/06/1930, constante do Anexo I, excetuados alguns artigos do Anexo II. 

Tanto a lei brasileira n. 2.044, como a Lei Uniforme tratam da Letra de Câmbio e da Nota promissória    são esses títulos diferentes, se bem que tenham muitos princípios em comum    dada a existência de tais princípios, a letra de câmbio e a nota promissória são chamadas de títulos cambiários ou, simplesmente, cambiais. 

3.   Figuras intervenientes 

Na letra de câmbio os intervenientes possuem, no título, funções diversas: 

3.1)     SACADOR, SUBSCRITOR ou EMITENTE    é aquele que dá a ordem, aquele que cria e emite a letra, dando a ordem de pagamento    é também denominado credor.

3.2)     SACADO ou DEVEDOR    é aquele a quem a ordem é dada, contra quem a ordem é dirigida.

3.3)     TOMADOR ou BENEFICIÁRIO    é aquele a favor de quem é emitida a ordem    é aquele que porta o título e que fica no lugar do credor. 

Em virtude do princípio da autonomia das obrigações cambiárias, e sendo diversas as funções exercidas na letra por cada um desses elementos, uma mesma pessoa, física ou jurídica, pode figurar no título como sacador, como sacado e mesmo como tomador. 

·        COMENTÁRIOS:

·         Muitas vezes o sacador é também beneficiário    neste caso o sacado aceitante pagará àquele que criou a letra de câmbio    ocorre nos contratos de alienação fiduciária, por exemplo, onde a financeira emite o título de crédito para que o sacado (a pessoa que está alienando o carro) pague a ela mesma.

·         Muitas vezes o sacador ocupa o lugar do sacado    A dá uma ordem para que B pague e este não dá o aceite    o beneficiário vai cobrar do sacador.

·         Todos os que fazem parte da obrigação cambiária são coobrigados (quem emite a letra é que é o obrigado a pagar quando o sacado não paga).

·         A letra de câmbio é muito usada no comércio de importação e exportação.

·         A letra de câmbio é sempre nominativa.

·         Enquanto não houver o aceite não há qualquer obrigação por parte do sacado  se houver uma dívida entre o sacador e o sacado, o primeiro tem outras formas admitidas em Direito para buscar o cumprimento da obrigação    se o sacador pagar ao beneficiário há o direito de regresso, mas não no Direito Cambiário, ou seja, nesse caso não há o que se falar em execução.

·         Quando houver o aceite, o sacado passa a ser coobrigado, mas o sacador também o é, e se o primeiro não pagar é ele quem assume essa responsabilidade.

·         Todos se obrigam na relação, ou seja, são coobrigados e a responsabilidade pelo pagamento é subsidiária e autônoma.  Não confundir (o que é muito comum) SUBSIDIARIEDADE e SOLIDARIEDADE    ex.:  responsabilidade solidária é aquela do pai e da mãe na criação e sustento dos filhos, ou seja, ambos são responsáveis    responsabilidade subsidiária é aquela dos padrinhos ou tutores, que na falta dos pais são responsáveis pela criação e sustento das crianças. 

4.   NATUREZA JURÍDICA 

Documento de uma garantia formal de dívida abstrata de uma obrigação pecuniária. 

PONTO III    SAQUE 

A Lei Uniforme, no Capítulo I do Título I, trata da criação e forma da letra de câmbio, tendo a tradução brasileira, adotada pelo Decreto n. 57.663, substituído a palavra criação por emissão. A Lei n. 2.044, intitulava o Capítulo I, DO SAQUE. Em ambas as leis, nesses capítulos, é regulada a criação da letra, com os requisitos essenciais para a sua validade. A criação, segundo tais dispositivos legais, é equivalente à emissão.

Em resumo, temos que criar a letra é dar a forma escrita ao título e emitir é fazer o título, já criado, entrar em circulação. Com a criação da letra de câmbio, alguém, denominado sacador, ordena a outra pessoa, chamada sacado, que pague a um terceiro, designado tomador, em certa época, uma importância determinada.

Sacador, sacado e tomador têm, na letra, posições definidas e diversas. E, como ao participarem do título, assumem direitos e obrigações autônomas (não dependentes dos demais direitos ou obrigações dos que estão vinculados à letra), sacado e tomador podem ser a mesma pessoa física ou jurídica que deu a ordem (sacador). Não regesse o título o princípio da autonomia das obrigações cambiárias, certamente isso não seria possível; mas, como a figura e a responsabilidade do sacador, do tomador e do sacado divergem, pode, uma mesma pessoa, física ou jurídica, constar na letra como aquele que dá a ordem (sacador), beneficiário da letra (tomador) e o indicado para cumprir a ordem dada (sacado).

REQUISITOS ESSENCIAIS NAS LETRAS DE CÂMBIO   (art. 1o da Lei Uniforme)

·        A denominação “letra de câmbio”, inserta no próprio texto do título e expressa na língua empregada para a redação desse título.

·        O mandato puro e simples de pagar uma quantia determinada    na realidade a palavra mandato está mal empregada; deveria mandado, pois trata-se de uma ordem    puro e simples significa não sujeito a condição alguma.

·        O nome da pessoa que deve pagar (ou seja, do sacado)    pode conter ou não, mais abaixo, a sua assinatura.

·        O nome da pessoa a quem, ou à ordem de quem a letra deve ser paga  (ou seja, tomador)    não se admite ao portador.

·        A indicação da data em que a letra é passada    somente poderá ser considerado um título que vale por si mesmo, independente da causa que lhe deu origem, a partir da data em que foi passado.

·        A assinatura do sacador    contendo, o título, uma ordem de pagamento, necessário é que alguém responda por esse pagamento se a pessoa a quem ele foi ordenado não o realizar    o sacador, que deve lançar sua assinatura na letra, necessita ser capaz para poder responder pela obrigação.

REQUISITOS NÃO ESSENCIAIS NAS LETRAS DE CÂMBIO

·        Época do pagamento    a Lei Uniforme admite a existência e validade do título sem esse requisito, uma vez que, semelhantemente à lei brasileira, dispõe que “a letra em que não se indique a época do pagamento será pagável à vista”, ou seja, no ato da apresentação (art. 2o, 2).

·        Lugar do pagamento    quando se executa uma letra, pode-se faze-lo ou no lugar do aceite ou onde deveria ser paga.

·        Lugar da emissão    tem por finalidade saber qual a lei a aplicar nas relações internacionais    só é permitida a ausência do lugar de emissão se constar da letra o lugar do domicílio do sacador, que é o que vem ao lado do seu nome    havendo omissão de ambos a letra não terá os efeitos da letra de câmbio.

·        Quantia determinada    letra de câmbio indexada    proibição somente para as cambiais vinculadas a contrato de aquisição da casa própria pelo SFH em razão de normas próprias autorizadas e aos contratos de crédito nacionais.

·        Os requisitos devem estar totalmente cumpridos antes da cobrança do título ou do protesto, não precisando constar do instrumento no momento do saque (art. 3o do Decreto n. 2.044 em consonância com a súmula 387 do STF)    caso contrário, o sacado pode alegar defeito formal do título.

PONTO IV    ACEITE (ato unilateral de vontade do sacado  =  não está obrigado a aceitar a letra, mas se o fizer, passa a ser o obrigado principal) 

É ato cambial pelo qual o sacado concorda em acolher a ordem incorporada pela letra de câmbio. É de livre iniciativa do sacado aceitar ou não a ordem recebida. O aceite é ato exclusivo de sua vontade. Resulta da simples assinatura do sacado no anverso do título; no verso, a assinatura vem seguida da palavra “aceito” ou qualquer outra equivalente. O aceitante é o devedor principal da letra de câmbio.

·        Vencimento antecipado da letra    a recusa do aceite é comportamento lícito    neste caso, poderá o credor ou o tomador cobrar o título de imediato, pois o vencimento, obrigatoriamente fixado pela cambial, é antecipado com a recusa do aceite.

·        Recusa parcial ou aceite parcial    também provocam o vencimento antecipado da letra. Pode ser:

·        Aceite limitativo    o aceitante concorda em pagar uma parte do valor do título;

·        Aceite modificativo    é o aceite em que o sacado adere à ordem, alterando parte das condições fixadas na letra, como por exemplo, a época do vencimento.

·        Art.22 da Lei Uniforme    como evitar que a recusa do aceite produza o vencimento antecipado da letra:  o sacado poderá valer-se do expediente previsto na lei, consiste na cláusula “não aceitável”  (salvo nas hipóteses proibidas pelo dispositivo legal)    a cláusula “não aceitável” faz com que o portador não possa antecipar o pagamento e não possa protestar por aceite.

Assim, o credor somente poderá apresentar o título ao sacado no seu vencimento e para pagamento, portanto. Não tendo nenhuma conseqüência excepcional para o sacador pois a recusa do aceite ocorre após o vencimento do título, época em que ele, o sacador, já deveria estar preparado para honrá-lo.

·        COMENTÁRIOS:

·        Exemplo:          José (SACADOR)       Antônio (SACADO)     Pedro (TOMADOR)

Se Antônio aceitar o título ele passa a ser o sacado aceitante, tornando-se, assim, o obrigado principal    se não aceita está fora da obrigação cambial

·         Existe um prazo para que o tomador do título vá buscar do sacado o aceite: 1 ano a contar da data do saque.

·         Exemplo:          A letra de câmbio mais usada é a financeira:

EMPRESA                  FINANCEIRA             PÚBLICO

Quando a Empresa emite a letra de câmbio é porque ela já recebeu da Financeira; se esta não pagar, o Público vai à Empresa.

·         PROTESTO    ato notarial que significa a comunicação da falta do aceite.

·         Exemplo:          Aceite sob condição    limitativo ou modificativo.

Marcos            Carlos              Ana                 =                      R$ 100,00

Ana pode ir direto a Marcos e pedir os R$ 100,00.

Carlos pode dar um aceite limitativo, afirmando poder pagar somente R$ 80,00  (de valor).

Carlos pode dar um aceite modificativo, afirmando que só poderá pagar no prazo de 30 dias, ou em outra localidade, por exemplo  (de forma).

PONTO V    ENDOSSO

Para que a letra de câmbio possa facilmente ser transferida e se opere a circulação dos direitos de crédito nela incorporados, emprega-se um meio próprio dos títulos de crédito chamado de endosso, que consiste na simples assinatura do proprietário no verso ou anverso da letra, antecedida ou não de uma declaração indicando a pessoa a quem a soma deve ser paga    com essa assinatura a pessoa que endossa o título, chamada endossante, transfere a outrem chamado endossatário, a propriedade da letra (L.U., art. 14)    nessa condição, o endossatário ao receber a letra torna-se  o titular dos direitos emergentes  nela contidos, podendo, assim, praticar todos os atos que se fizerem necessários para resguardar a sua propriedade. 

O endosso é ato cambiário que opera a transferência do crédito, representado por título “à ordem”. A alienação do crédito fica condicionada, também, à tradição do título, levando-se em conta o Princípio da Cartularidade.  Já que se está transferindo um direito, quem pode faze-lo é o possuidor do título.           

·        Partes:           Endossante ou endossador  =  alienante do crédito.

Endossatário  =  adquirente. 

·        Somente o credor poderá ser o endossador    assim, o primeiro endossante em qualquer letra de câmbio será sempre o tomador. 

·        Não há limites para o número de endossos    quando o documento não é suficiente, é possível anexar um papel que servirá como sua extensão    prolongamento da letra. 

·        O endosso produz dois efeitos:

a)   Transfere a titularidade do crédito

b)   Vincula o endossante ao pagamento do título na qualidade de coobrigado (L.U., art. 15).

 ·        COMENTÁRIOS:

·        SOLIDARIEDADE    todos são responsáveis pela totalidade do pagamento. Na cadeia de anterioridade pode-se desobrigar alguns e nos casos de limitação (aceite, aval, intervenção).

·        SUBSIDIARIEDADE    cada um é responsável pela totalidade do pagamento e tem ação de regresso contra o(s) anterior(es)  (uns contra os outros).

Espécies de endosso:

1    ENDOSSO PRÓPRIO

a)   ENDOSSO EM BRANCO    quando não identifica o nome do beneficiário transformando o título nominativo em ao portador, transferindo o crédito por mera tradição    a assinatura é feita no verso com a expressão “pague-se”, hipótese em que o endossante não fica como coobrigado    desonera os demais coobrigados.

b)   ENDOSSO EM PRETO    indica o nome do endossatário    pode ser feito no verso ou no anverso.

2    ENDOSSO IMPRÓPRIO  (aquele que não transfere a titularidade do título, mas, somente o título)    Tipos:

a)   ENDOSSO MANDATO    é aquele em que, por cláusula especial, o portador do título o transfere a outra pessoa, que passa a exercer todos os direitos emergentes da letra, mas só pode endossá-la na qualidade de procurador (L.U., art. 18)    legitima a posse    fica com a posse do título mas não é proprietário dele.

b)   ENDOSSO CAUÇÃO    cumprida a obrigação pelo penhor, deve a letra retornar à posse do endossante    dado como garantia; pago o débito a instituição devolve o título.

c)   ENDOSSO SEM GARANTIA    efeitos similares à cessão civil de crédito    o endossante transfere a titularidade da letra sem se obrigar com o seu pagamento. 

·        O endosso de uma letra na qual foi inserida a cláusula “não à ordem” também terá o efeito de uma cessão civil de crédito.

·        É proibido o endosso parcial  (L.U., art. 12).

·        Tanto a cessão civil de crédito como o endosso são transferências de um crédito a um determinado tomador.

·        Diferença entre endosso e cessão civil de crédito:

 

ENDOSSO                                                       

·                    Instituto do Direito Cambiário.

·                    O endossante se obriga com a existência do crédito e pela         solvência do devedor.

·                    O endossante não poderá se opor ao pagamento total da letra alegando não possuir mais fundos pois já pagou ao anterior endossador  – essa alegação não pode ser feita levando-se em conta o princípio da autonomia (abstração e inoponibilidade das exceções aos terceiros de boa fé).

 CESSÃO CIVIL DE CRÉDITO

·                    Instituto do Direito Civil.

·                    O cedente só se obriga com a existência do crédito.

·                    Pode se opor ao pagamento da letra alegando as relações anteriores entre os coobrigados no título.

·                    Ocorre quando no título de crédito o endossador coloca a cláusula “não à ordem”, ou seja, ele não se obriga com os posteriores endossantes    ex.: “endosso à Simone e não à ordem”     quando se coloca “sem garantia” não se garante nem a quem estamos passando o título    quando é feito após o protesto é chamado de endosso póstumo ou posterior.

PONTO VI    AVAL

Entende-se por aval a obrigação cambiária assumida por alguém no intuito de garantir o pagamento da letra de câmbio nas mesmas condições de um outro obrigado. É uma garantia especial, que reforça o pagamento da letra, podendo ser prestada por um estranho ou mesmo por quem já se haja anteriormente obrigado no título. A pessoa que dá tal garantia tem o nome de avalista e aquela a quem ele se equipara, e por intermédio da qual é assumida a obrigação de pagar o título, denomina-se avalizado.

Para assumir tal obrigação o avalista necessita ser capaz, como, aliás, deve acontecer com todos quantos se obrigam cambialmente.

Aval é a garantia pessoal de dívida (pagamento), de que a obrigação constante do título de crédito será paga por um terceiro ou por um dos signatários (muitas vezes o endossante ou o próprio sacador avalizam o título), prestada mediante assinatura do avalista no anverso do próprio título ou em folha anexa.

O avalista é solidariamente responsável com aquele em favor de quem deu o seu aval. a sua obrigação é autônoma e equivalente (ele é devedor do título da mesma maneira que o avalizado    L.U., art.32) à obrigação do avalizado.

OBS.:            

1)   O aval pode ser prestado mediante a assinatura do avalista no anverso do título ou no verso da letra com as seguintes expressões:  “por aval”,  “bom para aval” ou qualquer outra expressão equivalente. Numa folha anexa, o aval será dado através do prolongamento da letra.

2)   Na falta de indicação (aval em branco) de quem está sendo avalizado, entende-se que o aval foi dado em favor do sacador (L.U., art. 31)

·        COMENTÁRIOS:

·        Se o aval for dado no verso com somente a assinatura do avalista (em branco), ele estará avalizando o sacador.

·        Pode haver uma cadeia de avalistas da mesma forma que se tem uma cadeia de endossantes.

·        O avalista pode aparecer em qualquer lugar do título, avalizando qualquer uma das pessoas e, com isso, aumentando a garantia do pagamento.

·        O aval, como obrigação do Direito Cambiário, faz com que o avalista se obrigue no pagamento integral; logo, o direito de regresso é em relação ao pagamento total do título e não em cotas partes como no Direito Civil.

 

·        DA SOLIDARIEDADE CAMBIÁRIA E DA SOLIDARIEDADE PASSIVA NO DIREITO CIVIL 

A obrigação cambiária em geral (sacador, aceitante, endossantes ou qualquer avalista) é, muitas vezes, conceituada como solidária porque o credor pode exigir a totalidade do valor do título a qualquer um dos devedores. Deve-se acentuar que essa noção doutrinária não é tão apropriada no Direito Cambiário, pois o exercício do direito de regresso neste não segue as mesmas regras da solidariedade passiva do Direito Civil (assim, regressivamente, obedecendo a uma ordem na satisfação da obrigação). 

·        DA SOLIDARIEDADE ENTRE AVALISTAS NO CASO DE AVAIS SIMULTÂNEOS  

Existem duas correntes: a majoritária fala que inexiste solidariedade entre avalistas no caso de avais simultâneos uma vez que as obrigações cambiárias são independentes entre si; cada avalista responde somente, ele próprio, pelo valor integral da dívida. Isso significa que, se um avalista pagar sozinho o valor do título, não lhe assistirá o direito de exigir dos demais avalistas a divisão proporcional do valor pago.

 Deve-se distinguir o que seja aval simultâneo de aval sucessivo:

·                    AVAL SIMULTÂNEO    mais de um avalista assume a responsabilidade de pagamento do título em favor de um mesmo devedor    neste caso, os dois se encontram na mesma situação jurídica    obrigação solidária    pagamento total    não é permitida a divisão proporcional do valor pago.

·                    AVAL SUCESSIVO    o avalista garante o pagamento de um título em favor de um devedor que tem a sua obrigação garantida por um outro aval e assim por diante na cadeia dos signatários ou coobrigados no título    obrigação subsidiária.

 OBS.:   a equivalência nas obrigações do avalista e do avalizado será sempre observada como uma obrigação autônoma. Quando se fala nesta equivalência é que o portador do título tanto pode executar o aceitante como o avalista, mas isso não se refere à mesma extensão da obrigação do avalizado    ex.:  pedido de concordata preventiva pelo devedor    com a concordata o devedor tem uma diminuição no pagamento dos seus débitos através de um acordo com os seus credores. O avalista, que não tem nada a ver com este acordo, se for executado, deverá pagar o valor integral do débito e o seu direito de regresso contra o devedor se fará pelo menor valor, ou seja, com o valor diminuído pelo acordo.

 Exceções que o avalista poderá argüir em juízo  (não poderá invocar matéria pertinente ao direito do avalizado):

1      Direito pessoal próprio;

2      Defeito formal do título;

3      Falta de uma das condições da ação.

PONTO VII    VENCIMENTO (término do prazo estabelecido na letra tornando-a exigível)

O vencimento da letra pode ser extraordinário ou ordinário: 

·        EXTRAORDINÁRIO    se opera pela recusa do aceite ou pela falência do aceitante (pois este é o obrigado principal), produzindo o vencimento antecipado    o art. 43 da Lei Uniforme não considera a antecipação do vencimento    o Professor Fran Martins assim o admite, mas Rubens Requião (como a maioria dos doutrinadores) tem visão contrária.

·        ORDINÁRIO    é aquele que se opera quando o título atinge o prazo nele marcado, ou seja, que se opera pelo fato jurídico do tempo ou pela apresentação da letra ao sacado, quando à vista.  A letra de câmbio pode ser passada: à vista, a certo tempo de vista, a um certo tempo da data e a dia certo.

·        À VISTA    o vencimento da letra se verifica no ato da apresentação ao sacado, para que ele a pague imediatamente    aceite e pagamento têm o mesmo vencimento, ou seja, se confundem na mesma data    ex.:  “À vista desta única via de letra de câmbio, pagará V.S.a a importância de . . .”

·        A CERTO TEMPO DE VISTA    a letra vence para pagamento a tantos dias ou meses da data do aceite    inicia-se a contagem desse prazo no dia seguinte à data do aceite    ex.: “Três meses após o aceite, V.S.a pagará, por esta única via de letra de câmbio, a Fulano, a importância de . . .”

·        A CERTO TEMPO DA DATA    aquele em que o dia do pagamento será determinado a partir do momento em que a letra é sacada    em termos de aceite, o prazo fica estabelecido entre a data do saque e a data do vencimento    sendo o vencimento fixado para o “princípio”, o “meado” ou o “fim” do mês, essas expressões devem ser entendidas como o dia primeiro, o dia quinze e o último dia do mês    ex.:  “Seis meses desta data pagará, V.S.a a Fulano, por esta única via de letra de câmbio, a importância de Um mil reais.  Rio de Janeiro, 31 de Janeiro de 2.000    esta letra vencerá em 31 de Julho de 2.000    caso o mês não tenha o dia 31, vencerá no último dia do mês.

·        A DIA CERTO    o vencimento da letra de câmbio vem expressamente indicado na letra    é a modalidade mais comum    ex.: “Aos 31 dias do mês de Agosto de 2.000, pagará, V.S.a a Fulano, por esta única via de letra de câmbio, a importância de . . .” 

PONTO  VIII    PAGAMENTO 

Pelo pagamento extinguem-se uma, algumas ou todas as obrigações representadas por um título de crédito    uma ou algumas  =  quando o pagamento é feito por um dos coobrigados, desobrigando os posteriores e tendo ação de regresso quanto aos anteriores;   todas  =  ocorre quando a letra é paga pelo devedor principal.

O pagamento de uma letra de câmbio deve ser feito no prazo estipulado pela lei, que difere segundo o lugar de sua realização. Para uma letra de câmbio pagável no exterior, o credor deve apresentar o título ao aceitante no dia do vencimento ou num dos dois dias úteis seguintes. No Brasil, recaindo este num dia não útil, no primeiro dia útil seguinte (L.U., art. 38).

OBS.:  o Professor Fran Martins diz que tanto no Brasil quanto no exterior a apresentação para pagamento deve ser feita na mesma data, isto é, dois dias após o vencimento    é o único que adota este pensamento, mas já existem alguns julgados admitindo essa posição.

Para fins de pagamento no Direito Cambiário/Comercial, considera-se dia útil aquele em que há expediente bancário    excetuam-se os dias de greve, os dias de meio expediente ou quando existe alguma medida do governo e é determinado um feriado bancário.

O pagamento de uma cambial deve se cercar de cautelas próprias.  Em virtude do princípio da cartularidade, o devedor que paga a letra deve exigir que lhe seja entregue o título e em decorrência do princípio da literalidade, deverá exigir que se lhe dê quitação no próprio título    caiu em desuso pois o carimbo do banco já é comprovante suficiente para comprovar o pagamento.

É admissível o pagamento parcial da letra de câmbio, observadas as cautelas que a lei e a doutrina impõem neste caso.

Uma obrigação cambial é de natureza quezível, ou seja, cabe ao credor a iniciativa para a obtenção da satisfação do crédito. 

·        PAGAMENTO    ORDEM DE CÁLCULO    CADEIA DE ANTERIORIDADE E POSTERIDADE 

A letra de câmbio, como ordem de pagamento, deve ser apresentada segundo o seguinte critério:

1      O devedor principal (aceitante) é o primeiro a ser cobrado    se pagar esgotam-se todas as obrigações    o avalista estará sempre imediatamente após o avalizado.

2      Se o devedor principal (aceitante) não pagar, apresenta-se a letra ao sacador (ao seu avalista) e aos endossantes (e seus avalistas) seguindo um critério cronológico.

3      Alternativamente apresenta-se a letra ao avalista do devedor imediatamente posterior ao avalizado.

OBS.:  João Eunápio Borges diverge de Fran Martins quanto à apresentação da letra ao sacado aceitante em primeiro lugar. Para o primeiro “a apresentação da letra ao aceitante é ato preliminar e obrigatório a que se encontra condicionado o pagamento do título de crédito”.

Problema:  Antônio, sacador, emite uma letra de câmbio contra Benedito, que aceita o título para pagamento em favor de Carlos. Carlos endossa o título para Darci que endossa para Evaristo. Fabrício presta aval em branco. Germano avaliza Benedito. Hebe Camargo avaliza Carlos e Irene Ravache avaliza Darci. Pergunta-se:

1)   Forme a cadeia de anterioridade e posterioridade.

2)   Quem é o credor do título e a quem ele deverá se dirigir primeiro para obter a satisfação de seu crédito ?

3)   O que ocorre com a cadeia de obrigações caso o aceitante pague a letra ?

4)   Se o aceitante não paga a letra e Carlos paga, o que ocorre com a cadeia de anterioridade e posterioridade ?

PONTO IX    INTERVENÇÃO

É o ato pelo qual uma pessoa, indicada ou não, aceita ou paga a letra por honra de outrem. A essa pessoa dá-se o nome de interveniente; procura, a intervenção, evitar que a letra caia em descrédito pelo não acatamento da ordem dada ou pelo não cumprimento da obrigação assumida (L.U., arts. 55 a 63).

O interveniente que paga a letra por honra do aceitante exonera de responsabilidade os coobrigados regressivos uma vez que o aceitante é o obrigado principal;  tem ele (o interveniente) direito de ação contra o próprio aceitante que não se livrou da obrigação cambial pelo fato de outro haver pago por ele.

Se o pagamento é feito por honra de qualquer obrigado de regresso, ficam desonerados os obrigados posteriores, permanecendo o direito de ação contra por quem pagou e contra todos quantos na letra são obrigados anteriores a esse (L.U., art. 63).

PONTO X    AÇÃO DE COBRANÇA E PROTESTO

A lei que regulamenta o protesto é a Lei 9.492/97.

Um título não aceito ou não pago no seu vencimento incidirá em uma ação de cobrança que poderá ser provada por protesto cambial    ato notarial extrajudicial de responsabilidade do portador do título.

Entende-se por protesto o ato solene destinado principalmente a comprovar a falta ou recusa do aceite ou do pagamento da letra    o protesto apenas atesta esses fatos, não cria direitos e é um simples meio de prova para o exercício do Direito Cambiário    com o protesto o juiz tem o convencimento de que o credor esgotou todas as tentativas para a cobrança do título.

Se não forem observados os prazos fixados na lei para a extração do protesto, o portador do título perderá o direito de regresso contra os coobrigados da letra, permanecendo o direito contra o devedor principal    diante dessas conseqüências da lei, a doutrina costuma chamar o protesto de necessário ( = contra os coobrigados) ou facultativo ( = contra o devedor principal e seu avalista).

Tais conseqüências não se aplicam no caso da letra de câmbio contemplar a cláusula “sem despesa”, “sem protesto” ou outra equivalente (L.U., art. 46), que dispensa o portador de fazer um protesto por falta de aceite ou de pagamento, para poder exercer os seus direitos de ação.

OBS.:  Em uma letra de câmbio a certo tempo de vista que não contenha a data do aceite deve, o portador, protestá-la para que o termo inicial do respectivo prazo seja definido caso o aceitante, procurado, se recuse a datá-lo. 

Compelido a comparecer em cartório para datar o título, se não o fizer, a data do aceite pode ser pautada a partir da data do protesto ou considerar o aceite praticado no último dia do prazo para a apresentação da letra (ou seja, um ano da data do saque).

·        AÇÃO DE LOCUPLETAMENTO OU AÇÃO CAUSAL 

Quando a letra de câmbio (e a nota promissória) encontra-se ligada a um contrato original (ou seja, a existência do título fica presa ao cumprimento do contrato de que resultou o título como condição para a perfeição daquele), encerram-se todas as questões de direito abstrato (isto é, o título se desprende da causa que lhe deu origem).

Em tais casos é admissível a oposição do devedor ao pagamento pelo não cumprimento do contrato original    para comprovar esse direito o réu poderá invocar a causa da obrigação, ou seja, o contrato de que a emissão do título era condição    se tal contrato não foi cumprido, ao emissor não caberá atender ao pagamento, pois, se assim o fizer, provocará um enriquecimento indevido por parte do credor.

A admissão da ação causal por locupletamento ou enriquecimento ilícito por parte do credor é aceita pela doutrina e pela jurisprudência. 

·        AÇÃO CAMBIAL E PRESCRIÇÃO 

·                    AÇÃO CAMBIAL

Se não for pago no vencimento, o credor poderá promover a execução judicial do título de crédito contra qualquer devedor cambial, observadas as condições de exigibilidade do crédito e a cadeia de anterioridade e posterioridade, já examinada.

Assim como a nota promissória, a duplicata e o cheque, a letra de câmbio vem definida pela Lei Processual (art. 585, CPC) como título executivo extrajudicial (ou seja, não é preciso provar nada, salvo na ação de locupletamento), cabendo a execução do crédito correspondente.

·                    PRESCRIÇÃO

Para o exercício do direito de cobrança por via de execução a lei determina prazos prescricionais (L.U., art.70) de:

·                    3 anos    contra o sacado aceitante, o avalista do aceitante e sacador;

·                    1 ano    endossantes e avalistas dos demais coobrigados;

·                    6 meses    dos coobrigados contra os demais coobrigados. 

 

PONTO XI    NOTA PROMISSÓRIA 

É uma promessa de pagamento que uma pessoa faz em favor de outra. 

1.   Figuras Intervenientes (somente duas pessoas intervêm na relação jurídica envolvendo a nota promissória): 

a)   SACADOR, emitente, subscritor ou devedor    na NP, sacador e sacado se confundem na mesma pessoa e é o devedor principal da obrigação.

b)   TOMADOR, beneficiário ou credor    em favor de quem o sacador fez a promessa.

2.   Requisitos (L.U., arts. 75 e 76) 

São considerados requisitos não essenciais a data do pagamento, a indicação do local de emissão do título ou, também, do domicílio do subscritor. Assim, considera-se que o local da emissão seja o mesmo do pagamento, ou vice-versa. 

3.   Regime Jurídico 

A Nota Promissória está sujeita às mesmas normas aplicadas com relação à Letra de Câmbio, com as exceções estabelecidas pela Lei Uniforme (arts. 77 e 78)    são elas:

·                    Não há o que se falar em aceite pois ele se confunde com o próprio saque e nem em vencimento antecipado por falta de aceite, pois ela já nasce com ele    não é a corrente aceita por todos os autores    Fran Martins, João Eunápio Borges e Waldemar Ferreira dizem que a NP, realmente, já nasce aceita, mas que no momento em que o sacador emite a NP ele pode propor uma data para a vista.

·                    O subscritor da NP é o seu devedor principal

·                    A lei prevê a mesma responsabilidade para o aceitante da letra e o subscritor da promissória.

·                    PRESCRIÇÃO    o exercício do direito de crédito contra o emitente prescreve em 3 anos contados a partir da data do vencimento.

·                    Também encontramos a previsão da Ação Cambial ou de Locupletamento quando a NP encontra-se ligada a um contrato individual e onde for observado o enriquecimento ilícito por parte do credor. 

OBS.: 

1)     Todas as normas relativas à Letra de Câmbio serão aplicadas à Nota Promissória naquilo que não desnaturar a essência do Título  (L.U., art. 77)    ex.:  as normas relativas ao aceite, ao vencimento antecipado por falta do aceite e ao protesto por falta do pagamento.

2)     VENCIMENTO A CERTO TERMO DE VISTA    a lei, em seu art. 77, ajusta o regime da Nota Promissória ao da Letra de Câmbio    pelas conclusões já analisadas, decorreria o entendimento de que tal vencimento seria incompatível com a natureza do título, qual seja: promessa de pagamento    o ajuste funciona a partir do visto na NP    ex.: “30 dias após o visto, pagarei, por esta única via de Nota Promissória, a quantia de . . .”     o portador da nota tem o prazo de 1 ano a contar da data do saque para apresentá-la ao visto do subscritor    praticado o ato, começa a fluir o termo mencionado no título    se, por outro lado, o visto é negado pelo subscritor, caberá ao portador protestar a NP, correndo o prazo do vencimento a partir da data do protesto.

 

·        DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A LETRA DE CÂMBIO E A NOTA PROMISSÓRIA:

·        A Letra de Câmbio é uma ordem de pagamento e a Nota Promissória é uma promessa de pagamento;

·        Figuras intervenientes:        Na Letra de Câmbio: sacador, sacado e tomador.

Na Nota Promissória: sacador e tomador.

·        Aceite:           Letra de Câmbio:  é ato facultativo e prerrogativa do sacado.

Nota Promissória: aceite e saque se confundem, ou seja, a NP já nasce com o aceite. 

PONTO XII    DUPLICATA 

1)   Conceito 

É um título de crédito formal, que consiste em um saque fundado em crédito concedido pelo vendedor ao comprador, baseado em contrato de compra e venda mercantil ou de prestação de serviços celebrado entre ambos, cuja circulação é possível mediante endosso.

É promessa de pagamento do preço estipulado numa compra e venda (contrato consensual  =  se perfaz no momento em que o preço é estipulado) mercantil ou na prestação de serviços.

Além da duplicata comum, existem também a duplicata de prestação de serviços e a duplicata rural. 

·                     É um título de natureza vinculada, ou seja, apesar de serem autônomas as relações, o princípio da autonomia não se perfaz totalmente por estar, a duplicata, vinculada a um contrato de compra e venda mercantil ou de prestação de serviços. 

2)   Fatura 

É o documento representativo do contrato de compra e venda mercantil, de emissão obrigatória pelo comerciante, por ocasião da venda de produto ou de serviço, descrevendo o objeto do fornecimento, quantidade, qualidade e preço além de outras circunstâncias de acordo com os usos da praça.

3)   Nota Fiscal – Fatura

É o documento que resultou do convênio firmado, em 1970, entre o Ministério da Fazenda e as Secretarias de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal, pelo qual a nota fiscal passa a funcionar, também, como fatura comercial contendo as informações necessárias às finalidades tributárias.

4)   Requisitos Essenciais 

·                    Lei 5.474/68 (art. 2o)  e Lei 6.068/75  (art. 3o). 

5)   Registro  

A emissão da duplicata é facultativa. Somente será obrigatória se o comerciante operar por meio de instituição financeira. Alternativamente, poderá cobrar a fatura comercial de forma direta do comprador quando a venda for à vista.

Emitindo a duplicata, esta deverá ser registrada ou escriturada em livro próprio do comerciante denominado Livro de Registro de Duplicatas.

6)   Remessa e Devolução

A duplicata deverá ser apresentada ao devedor dentro de 30 dias da sua emissão. Entretanto, se a remessa for feita por instituição financeira, o prazo será de 10 dias.

Quando não for à vista, o prazo para o devedor devolver a duplicata ao comerciante será de 10 dias, com o aceite ou acompanhada de documento escrito explicando os motivos da não aceitação, se este for o caso.

7)   Aceite e Pagamento

O aceite é obrigatório se a mercadoria for entregue de acordo com o especificado ou o serviço prestado corretamente    nestes casos, pode haver protesto para pagamento se a pessoa não pagar o título.

Motivos que podem ser alegados pelo sacado para recusar-se a pagar a duplicata:

a)   mercadoria não entregue;

b)   mercadoria entregue, porém avariada, quando o transporte corre por conta e risco do vendedor;

c)   defeitos e diferenças na qualidade ou na quantidade das mercadorias;

d)   divergências nos prazos ou preços pactuados.

8)   Retenção

     É permitido ao sacado reter a duplicata até a data do vencimento do título desde que haja concordância expressa do sacador ( = vendedor)  e da instituição financeira, devendo o sacado comunicar por escrito que a aceitou e que irá rete-la.

Caso na data do vencimento o sacado não pagar a importância devida, poderá o sacador promover a ação executiva ou protestar o título, fundado na comunicação do sacado que aceitou o título e irá rete-lo. Esta comunicação substitui a duplicata retida, para essas finalidades.

9)   Protesto e Ação de Cobrança

A duplicata poderá ser protestada por falta de aceite, por falta de devoluçõ e por falta de pagamento. O prazo para protesto é de 30 dias a contar da data do vencimento. O protesto pode ocorrer mediante a prova de remessa ou entrega de mercadoria. Essa forma de protesto supre a falta de aceite, podendo servir de subsídio para fundamentar a ação de cobrança, pois é sabido que, de acordo com a Lei 5.474/68, a duplicata é Título Executivo Extrajudicial.

A ação fundada na duplicata é a Ação de Execução, conforme o disposto no art. 585, I, CPC.

10)        Prescrição

O prazo de prescrição da ação de cobrança da duplicata é de:

·                    3 anos    contra o sacado e respectivos avalistas, contados da data do vencimento do título;

·                    1 ano    contra endossante e seus avalistas, contado da data do protesto;

·                    1 ano, de qualquer dos coobrigados, contra os demais exercendo o direito de regresso, contado da data em que haja sido efetuado o pagamento do título.

11)        Triplicata

É a reprodução da duplicata mercantil ou da prestação de serviços em caso de perda ou extravio (Lei 5.474/68,  art. 23).  Caso o sacador emita uma triplicata tendo o sacado pago a duplicata, este poderá entrar com uma ação para repetição de indébito.

12)         Duplicata Simulada

      É aquela expedida e/ou aceita sem que, efetivamente, tenha  correspondência à uma mercadoria vendida em quantidade ou qualidade ou a um serviço prestado.

CONSEQÜÊNCIA JURÍDICA DA EXPEDIÇÃO OU DA ACEITAÇÃO DA DUPLICATA SIMULADA: aquele que expedir ou aceitar duplicata simulada, bem como o que falsificar ou adulterar a escrituração do Livro de Registro de Duplicatas, incorrerá no crime de emissão de duplicata simulada, delito tipificado no art. 172 do Código Penal. 

PONTO XIII,  XIV    CHEQUE 

É uma ordem de pagamento, sempre à vista (ou seja, na data da apresentação deve ser liquidado), sacada contra um banco ou instituição financeira que seja reputada como tal, com suficiente provisão de fundos, pelo sacador em mão do sacado ou decorrente do contrato de abertura de crédito.

·         É o título de crédito mais utilizado nas práticas mercantis atualmente    o Professor Fran Martins o considera um título de crédito impróprio porque não atende a todos os requisitos dos títulos, mas esse pensamento é minoritário.

 1.   Diplomas Legais

       O cheque é disciplinado pela Lei 7.357/85 e subsidiariamente pela Lei Uniforme do Cheque promulgada pelo Decreto 57.595/66, naquilo que não foi derrogada. 

·         Devemos observar, além dessas, todas as outras normas que regulam o cheque: tributárias, CDC, instruções do BACEN, etc.

·         De acordo com a Medida Provisória de 14/out/99, o extrato bancário de abertura de crédito é considerado como título de crédito. 

2.   Requisitos    Art. 1o  da Lei 7.357/85. 

3.   Figuras Intervenientes 

·        EMITENTE    é a pessoa autorizada a emitir cheques sobre os fundos disponíveis, em virtude de um contrato (de abertura de conta corrente, depósito ou abertura de crédito)    é quem dá a ordem de pagamento para o sacado, após verificação de fundos, pagar   é, pois, o sacador da ordem.

·        SACADO    é o banco ou instituição financeira a ele equiparado, que detém os fundos à disposição do sacador.

·        BENEFICIÁRIO    é a pessoa a quem o sacado deve pagar a ordem emitida pelo sacador.

·         O EMITENTE é que se obriga com o BENEFICIÁRIO.

·         SACADO    EMITENTE    realizou com o banco um contrato de depósito, de conta-corrente ou de abertura de crédito ( = cheque especial).

4.   Pressupostos da Emissão (Lei 7.357/85, arts. 3o e 4o)

·        O cheque é emitido contra banco ou instituição financeira que lhe seja equiparada, sob pena de não valer como cheque.

·        O emitente deve ter fundos disponíveis em poder do sacado e estar autorizado a, sobre eles, emitir cheque, em virtude de contrato expresso ou tácito.  A infração desses preceitos não prejudica a validade do título como cheque.

·        Art. 4o, §1o    a existência de fundos disponíveis é verificada no momento da apresentação do cheque para pagamento.

·        Art. 4o, § 2o    consideram-se fundos disponíveis:

a)   os créditos constantes de conta-corrente bancária não subordinados a termo (ou de C/C, ou de depósito ou de abertura de crédito);

b)   o saldo exigível de conta corrente contratual;

c)   a soma proveniente dos dois.

5.   Espécies

a)   Quanto à circulação:

a.1    AO PORTADOR (com valores de até R$ 100,00);

a.2    NOMINATIVOS;

b)   Quanto à forma:

b.1    CHEQUE VISADO    Lei 7.357/85, art. 7o     é aquele em que o sacado deve reservar, da conta corrente do sacador, em benefício do credor, quantia equivalente ao valor do cheque, durante o prazo de apresentação    esse tipo de cheque é visado pelo banco e não pode ser endossado.

            É o cheque nominal, cujo montante é tranferido, no momento da emissão, da conta do correntista para o próprio banco, ficando a quantia à disposição do beneficiário legitimado.

Se o cheque visado não for apresentado dentro do prazo para a apresentação, o banco devolve, para a conta do correntista, o montante reservado.

 

b.2    CHEQUE ADMINISTRATIVO    é aquele emitido contra a própria instituição financeira (que é a sacadora). É também denominado cheque de tesouraria, de caixa ou bancário e é muito utilizado entre instituições financeiras.

b.3    CHEQUE CRUZADO    destina-se a possibilitar a identificação da pessoa em favor de quem o cheque foi liquidado    tem-se o cruzamento geral (entre os dois não há identificação)  e o especial (quando, entre os dois traços, existir a identificação do nome do banco).

b.4    CHEQUE PARA DEPÓSITO EM CONTA    é aquele em que se escreve transversalmente a expressão “para ser creditado em conta”     é cheque escritural, apenas para ser contabilizado,  e não para ser pago em dinheiro.

OBS:  a doutrina tem o cheque cruzado pelo cheque para depósito em conta. 

6.   Endosso 

O cheque tem a vocação de circular como título pela simples tradição; quando não traz a menção do beneficiário circula ao portador.

O endosso é meio de transmissão do cheque, normalmente nominativo; quando contiver a cláusula à ordem, mesmo que esta cláusula não conste do título, será possível a sua transmissão através de endosso. Caso o cheque contenha a cláusula não à ordem, sua transferência poderá ser dificultada pois esta só se fará na forma de uma cessão ordinária de crédito, aplicando-se a ela as mesmas regras do Direito comum.

O endosso somente poderá ser feito ao beneficiário do cheque ou a qualquer pessoa que tenha capacidade para recebe-lo, visto que, conceitualmente, endossar significa transferir a titularidade de seu título    não é permitido o endosso ao sacado e, se feito, valerá apenas como quitação, isto é, como prova de que o pagamento da ordem foi feito pelo banco.

O endosso deve ser puro e simples, não podendo ficar subordinado à condição alguma    é também nulo o endosso parcial. 

7.   Aval 

Do mesmo modo que acontece com a letra de câmbio, o cheque pode ser avalizado. O aval constitui uma garantia suplementar do título.  O aval, no cheque, pode ser dado de forma total ou parcial, assim como na letra de câmbio. Se o aval não trouxer essa limitação, entende-se que ele foi dado na totalidade do cheque. O avalista se responsabiliza pelo pagamento do cheque e não pelo pagamento de uma certa pessoa (o avalizado), daí dizer-se que o “pagamento de um cheque pode ser garantido, no todo ou em parte, por um aval prestado por terceiro ou mesmo por signatário do título”. 

8.   Apresentação de Pagamento e Uso Indevido 

O prazo para apresentação do cheque na mesma praça é de 30 dias. Em praça diferente o prazo é de 60 dias.

Quando o cheque é apresentado e não há provisão de fundos no prazo de apresentação, caracterizado está o crime previsto no art. 171, CP.

A inobservância do prazo para a apresentação não acarreta a perda do direito de executar os endossantes e seus avalistas caso o cheque não tenha provisão de fundos. A Súmula 600 do STF prevê que “cabe ação executiva contra o emitente e seus avalistas, ainda que não apresentado o cheque ao sacado no prazo legal, desde que não prescrita a ação cambiária”.

A exceção é feita quando durante o prazo para apresentação o sacador dispunha de fundos e o cheque não foi apresentado. Após o prazo o beneficiário apresenta o cheque e não encontra a provisão de fundos. Neste caso, não dispõe mais o portador da execução para receber o valor do título (mas isto não quer dizer que o cheque prescreveu, pois a prescrição só ocorre decorridos 6 meses a partir do prazo da última apresentação).

O banco não tem nenhuma obrigação cambial, não garante o pagamento do cheque, nem pode garanti-lo, pois a lei proíbe o aceite, o endosso e o aval parcial de sua parte (Lei 7.357/85, arts. 6o;  18, § 1o  e 29).

Se o emitente pagar o cheque antes da denúncia, não ficará configurado o crime de estelionato (art. 171, CP), mas, após a denúncia o fato ficará tipificado como crime.

9.   Cheque Pós-datado

Mesmo que a sua emissão seja de data posterior, o cheque é pagável na sua apresentação, ou seja, à vista. No caso de falta de provisão de fundos e observada a boa-fé, a jurisprudência tem um entendimento uniforme quanto a absolvição criminal do sacador, embora a execução do título seja sempre cabível pois é título executivo extra-judicial.

OBS.: 

1)   Princípio que assenta na Teoria da Responsabilidade Contratual    obrigação de não fazer em virtude de acordo firmado entre o emitente e o credor;

2)   Apresentado ao banco, deverá ser pago à vista pois a instituição desconhece o acordo e mesmo que tivesse ciência não estaria obrigada a respeitá-lo pois o contrato “só faz lei entre as partes”.

3)   Cabe indenização ao emitente pelo descumprimento da obrigação de não fazer (oral ou escrita)    (Direito do Consumidor    Tutela):

3.1)     Tendo provisão de fundos    indenização pela perda dos juros, cheque especial, aplicações, etc.

3.2)     Não tendo provisão de fundos    promovida a execução, terá, o consumidor, o direito de, nos embargos, exigir a redução proporcional do valor da cobrança para compensação dos prejuízos que sofreu, em particular com o pagamento da taxa de serviço de compensação bancária e demais encargos contratuais, além de suportar o ônus da sucumbência prosseguindo a execução pelo saldo remanescente, se houver, além do pagamento sobre o dano moral sofrido pelo emitente pelo constrangimento de ter seu nome incluído no SERASA, TELE-CHEQUE, CCF (Cadastro de Cheques sem Fundo), etc.

4)   CONCLUSÃO    as partes deverão, sempre, honrar os seus acordos, pois tal prática existe como alternativa de documentação de um crédito no interesse das partes que poderiam adotar outros títulos.

OBS.:  no intuito de solucionar controvérsias quanto à prática da emissão de cheques pós-datados, onde não há possibilidade para o Direito Comercial, acatá-lo como costume, tendo força de lei pois estaria ferindo a lei do cheque que nos fala de uma ordem de pagamento à vista.  Assim, ao invés de ferir a lei, deveria haver um entendimento no sentido de não se permitir a liquidação bancária com data posterior à da apresentação.  Assim, sem desconfigurar a natureza do título, resolve-se a questão de tal prática mercantil sem os constrangimentos que ela acarreta. 

O efeito do cheque é pro solvendo ( = o que deve ser pago), isto é, até a sua liquidação não extingue a obrigação a que se refere. As partes podem pactuar efeito pro soluto ( = a título de pagamento, ou seja, quando é pago resolve-se a obrigação), mas apenas para o Direito Cambial. 

10.   Protesto 

·        AÇÃO DE COBRANÇA    a lei do cheque (Lei 7.357/85) declara que “o portador pode promover a execução do cheque” (art. 47):

·        Contra o emitente e seu avalista;

·        Contra os endossantes e seus avalistas se o cheque for apresentado em tempo hábil e a recusa do pagamento é comprovada pelo protesto ou por declaração do sacado, escrita e datada sobre o cheque, com a indicação do dia de apresentação, ou ainda, por declaração escrita e datada por câmara de compensação.

Qualquer destas declarações previstas na lei dispensa o protesto e produz o mesmo efeito deste.  O protesto deve ser feito antes de expirado o prazo para apresentação (30 ou 60 dias dependendo se é ou não na mesma praça). 

Os cheques pós-datados podem ser protestados pois são ordens de pagamento à vista. O prazo prescricional da ação contra os obrigados no cheque, se inicia a partir da expiração do prazo fixado para apresentação, que é contado tendo-se por base a data do cheque. Tira-se, então, o protesto “antes de extinto o prazo para apresentação”, mas o exercício da ação ao portador só prescreve decorridos 6 meses contados da expiração do prazo para apresentação.

O protesto pode ser dispensado quando no cheque é aposta a cláusula “sem protesto” ou “sem despesas” ou outra equivalente, assinada pelo emitente, endossante e/ou avalista.  Também nos casos de insolvência comprovadamente declarada, intervenção, liquidação ou falência do emitente. 

·        AÇÃO REGRESSIVA  (responsabilidade solidária dos coobrigados)    Lei 7.357/85, art. 51    a responsabilidade desses coobrigados (endossantes e seus avalistas) é cambiariamente solidária, o que faculta ao portador agir contra um, alguns ou todos os coobrigados já que eles estão ligados pelo vínculo da solidariedade imposto por lei. 

11.   Rito da Execução 

O rito da ação do cheque é executivo e está regulado nos termos do art. 585, I, CPC e o valor a receber é o da importância do cheque não pago, acrescida de juros moratórios, taxa legal e das despesas que houver feito com o protesto. A proibição da lei na cobrança de juros é com relação aos compensatórios (art. 10) e a permissão contida em seus arts. 52 e 53 se referem a juros moratórios, isto é, devidos pela falta de pagamento.

 12.   Ação de Enriquecimento Indevido

       O portador que não exerceu a competente ação executiva (6 meses a partir da expiração do prazo de apresentação) no prazo legal, contra o sacador ou endossantes, tem o direito de agir, já não mais cambiariamente, mas em ação comum, contra o sacador ou endossantes que hajam feito lucros ilegítimos às suas custas. Não poderá agir contra os avalistas pois estes são sempre obrigados cambiários e, prescrito o cheque, o documento perde a sua natureza cambiária.

·        Art. 51, Lei 7.357/85    a ação de enriquecimento pode, também, ser proposta pelo réu (devedor) contra o autor.  Se houver motivo para que a obrigação do emitente não seja cumprida em favor deste (réu ser credor do autor, p. ex.), tal defesa pode ser apresentada com o intuito de liberar o réu do pagamento do cheque  (Ação de Locupletamento Ilícito ou Indevido,  Repetição de Indébito).

13.   Prescrição  (Lei 7.357/85, arts. 59 a 62)

A ação de execução prescreve em 6 meses a contar da data em que expirou o prazo para a apresentação ou da data do protesto.

A ação de enriquecimento decorrente do não pagamento do cheque prescreve em 2 anos do dia em que se consumar a prescrição da ação de execução.

Não interposta a ação nos prazos acima mencionados, prescreveu os direitos do portador à dita ação, perdendo o cheque a sua natureza cambiária. Poderá o portador, alegando enriquecimento de outrem à sua custa (rito ordinário), entrar com uma ação ordinária de locupletamento cujo prazo prescricional é de 20 anos, contando-se a partir dos 6 meses contados da expiração do prazo para apresentação.

14.   Revogação (art. 35) e Oposição ao Cheque Sustado (art. 36)

·        REVOGAÇÃO    também chamada de CONTRA-ORDEM;

·        Não precisa da previsão de fundos para revogar o cheque;

·        O prazo para revogação começa a contar após expirado o prazo da apresentação do cheque;

·        A revogação não precisa ser motivada. 

·        OPOSIÇÃO OU CHEQUE SUSTADO    também chamada simplesmente OPOSIÇÃO;

·        Tem que haver provisão de fundos;

·        Tem que ser realizada durante o prazo de apresentação do cheque;

·        A oposição precisa ser motivada (R.O., perda, furto, etc.).

 OBS.: Geralmente paga-se ao Banco dois reais por cada folha do cheque sustado durante 6 meses, renováveis até 5 anos da comunicação da oposição.

PONTO XV    CONHECIMENTO DE DEPÓSITO E WARRANT

1)   Introdução 

O empresário que deposita suas mercadorias em um armazém-geral e deseja mobilizar o crédito correspondente ao valor das mercadorias antes de vende-las, solicita dois títulos representativos de suas mercadorias contra a entrega dos recibos de depósito: o Conhecimento de Depósito e o Warrant, o primeiro representando as mercadorias depositadas e que legitima seu portador como proprietário e o segundo que se destina à operação de crédito, dando sobre as mercadorias o direito de penhor. O conhecimento de depósito e o warrant nascem ligados um ao outro, mas podem ser separados, circulando separadamente. Mas, a entrega da mercadoria só é feita a quem exiba ambos os documentos.

São títulos representativos e de legitimação e sob essa denominação costuma-se designar o instrumento jurídico que representa a titularidade de mercadorias custodiadas, e que se encontram sob os cuidados de um terceiro, não proprietário (o Armazém Geral).

A emissão do Conhecimento de Depósito e do Warrant depende da solicitação do depositante e substituem o recibo de depósito. Ambos são regidos pelo Decreto n.º 1.102/1.903. 

2)   Armazéns Gerais 

            São empresas mercantis cujo objeto é a guarda e a conservação de mercadorias pertencentes a terceiros que, não desejando vende-las imediatamente, deixam-nas estocadas, emitindo recibo de depósito.

3)   Recibo de Depósito 

São recibos de entrega das mercadorias e o documento pelo qual o armazém-geral meramente reconhece sua condição de depositário da mercadoria    atesta o contrato de depósito mercantil, firmado entre o depositante e o armazém-geral    não é passível de endosso. 

4)   Conhecimento de Depósito 

É o título de crédito emitido exclusivamente pelos armazéns-gerais, que representa as mercadorias lá depositadas e legitima seu portador como proprietário dessas mercadorias    sua transferência é feita através de endosso. 

5)  Warrant 

É o título causal, emitido exclusivamente pelos armazéns-gerais, que representa o crédito e o valor das mercadorias depositadas, constituindo uma promessa de pagamento.  O endosso do warrant deve ser mencionado no conhecimento de depósito para que o endossatário deste saiba que está adquirindo mercadoria onerada, dada em garantia pignoratícia de obrigação assumida pelo endossante    é o verdadeiro título de crédito e se sobrepõe ao conhecimento de depósito, ou melhor, os direitos do portador do warrant preponderam sobre os do portador do conhecimento de depósito.

6)   Circulação e Negociação 

Como já foi dito, os títulos podem ser negociados juntos ou separados, sendo passíveis de endosso. Endossados, o conhecimento de depósito transmite a propriedade das mercadorias depositadas e o warrant confere ao cessionário o direito de penhor sobre essas mercadorias. 

7)   Liberação das Mercadorias 

A liberação das mercadorias depositadas em armazéns-gerais, em relação às quais foram emitidos estes títulos representativos, poderá ser feita apenas ao legítimo portador de ambos os títulos.

Mas essa regra admite exceções:

a)     liberação em favor do titular do conhecimento de depósito endossado em separado, antes do vencimento da obrigação garantida pelo endosso do warrant, desde que se deposite, junto ao armazém-geral, o valor desta obrigação (warrant);

b)     execução da garantia pignoratícia, após protesto do warrant, mediante leilão realizado no próprio armazém    cabe ação de regresso do titular do conhecimento de depósito para apurar o valor proporcional do crédito em relação às mercadorias. 

PONTO XVI    CONHECIMENTO DE FRETE 

1)   Introdução 

É o título representativo de mercadorias transportadas, emitido pela empresa que recebe as mercadorias sendo contratada para transportá-las por via aérea, marítima ou terrestre, até o seu destino.

Em princípio, o conhecimento de transporte era mero documento que se destinava a comprovar o recebimento de uma carga pela empresa transportadora. Como as empresas passaram a colocá-lo em circulação, mediante endosso, com o objetivo de mobilizar os créditos nele contidos, esse documento passou a ter feição de título de crédito. 

2)   Legislação 

Os principais diplomas legais vigentes no Brasil que regulam o conhecimento de transporte são o Decreto 19.473/30, o Decreto 20.454/31 e o Código do Ar (Decreto-lei 32/66). 

3)   Figuras Intervenientes 

Como a finalidade originária deste instrumento é a prova do recebimento da mercadoria pela empresa transportadora e da obrigação que ela assume de entrega a certo destino, surgem as seguintes figuras:

a)   EMPRESA EMISSORA  (TRANSPORTADORA)    pode ocupar, também, o lugar de consignatário;

b)   O DONO DAS MERCADORIAS  que vão ser transportadas pode negociar o valor delas, mediante endosso;

c)   O TITULAR DO CRÉDITO, PORTADOR, BENEFICIÁRIO ou CONSIGNATÁRIO ( = credor);

d)   Lançada a cláusula de penhor ou garantia, temos as figuras do ENDOSSATÁRIO, que é o credor signatário do ENDOSSADOR (remetente ou consignatário).

4)   Requisitos       Art. 2o,  Decreto 19.473/30.

5)   Mercadorias em Trânsito

De acordo com o art. 7o do referido Decreto, o remetente, consignatário, endossatário ou portador, pode, exibindo o conhecimento, exigir o desembarque e a entrega da mercadoria em trânsito, pagando o frete por inteiro e as despesas extraordinárias a que der causa. Extingue-se o contrato de transporte e recolhe-se o respectivo conhecimento. O endossatário em penhor ou garantia não goza dessa faculdade.

6)   Negociabilidade

Em algumas circunstâncias, no entanto, a lei veda a negociabilidade do conhecimento de frete (inclusão da cláusula não à ordem no título), como p. ex., o transporte de mercadorias perigosas ou de cargas destinadas a armazéns-gerais (Decreto 51.813/63).

Em se tratando de conhecimento de frete negociável, o seu endosso transfere a propriedade da mercadoria transportada, que deverá ser entregue pela empresa transportadora, no seu destino, ao seu portador legitimado.

7)        Perda ou Extravio      Art. 91  e  parágrafos,  Decreto 51.813/63

 

 


Clovis Brasil Pereira

Clovis Brasil Pereira

Advogado; Mestre em Direito; Especialista em Processo Civil; Coordenador Pedagógico da Comissão de Cultura e Eventos da OAB/Guarulhos; Diretor da ESA, Unidade Guarulhos; Professor Universitário; Coordenador Pedagógico da Pós-Graduação em Direito Processual Civil da FIG – UNIMESP; Palestrante convidado do Departamento Cultural da OAB/SP; Editor responsável do site jurídico www.prolegis.com.br; autor de diversos artigos jurídicos e do livro “O Cotidiano e o Direito”.


Nenhum comentário.

Seja o primeiro a comentar.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *